A Evolução da Fisioterapia

  • A fisioterapia é, por definição, a terapia por agentes físicos. Seu início oficial ocorreu após a 2º Guerra Mundial, com uma demanda crescente de mutilados e amputados que precisavam ser reinseridos na sociedade pós guerra. No início, sua abordagem era direcionada para o fortalecimento, analgesia, aumento de mobilidade e flexibilidade dos pacientes com uma ênfase demasiada em cima do tecido e da patologia apresentada. Os recentes avanços no campo da neurociência e o aprimoramento das tecnologias utilizadas para o estudo do movimento humano permitiram que a reabilitação dos pacientes começasse a ser direcionada por uma perspectiva diferente. As primeiras modificações foram desenvolvidas na reabilitação de pacientes com afecções neurológicas, onde a fisioterapia começou a direcionar seus recursos para a melhora do padrão de movimento apresentado por estes pacientes.

    No que diz respeito a reabilitação de pacientes ortopédicos e com queixa de dor crônica, observamos que só nos últimos anos vem ocorrendo um maior direcionamento das pesquisas para a compreensão dos padrões de movimento associados a estas queixas. Mesmo assim, a realidade clínica dos atendimentos nesta área ainda está muito vinculada a uma visão reducionista de tratamento direcionada para a redução das consequências produzidas pela lesão tecidual ou pela doença em atividade. Nós entendemos que minimizar os sintomas e diminuir a inflamação é importante, mas a verdadeira terapia consiste em modificar os padrões de movimento alterados que produzem sobrecarga tecidual e, em longo prazo, levam a subsequente lesão do tecido (seja ele articular, muscular ou tendíneo) ou que corroboram para a manutenção de uma patologia. Caso você tenha interesse em compreender melhor este modelo de fisioterapia baseado na correção dos padrões de movimento, sem se limitar a uma visão reducionista sobre a sua doença, entre em contato conosco!

    Equipe Rehabilitation
    Instituto Opus Magnum